Em Análise: Star Wars – Os Últimos Jedi, em Steelbook Blu-ray 3D+Blu-ray

Com um sentimento de rejeição presente perante todos os produtos disponibizados pela Disney para Portugal (embora pareça que as coisas poderão mudar em breve), uma análise ao mais recente lançamento Blu-ray deste estúdio poderá parecer estranho para muitos. Porém, se somos os primeiros a criticar quando esta gigante do entretenimento faz o mal, também seremos os primeiros a evidenciar toda e qualquer atitude positiva que surja. A mais recente surgiu na forma deste belo Steelbook para Star Wars: Os Últimos Jedi.


Apresentação (5/5)

Foi com alguma surpresa que, semanas após o anúncio oficial do lançamento Home Video de Os Últimos Jedi, recebemos a notícia de que todo o território europeu receberia a edição Steelbook do filme com uma arte diferente daquela divulgada para o mercado americano. Numa nova surpresa, neste momento da revelação, chegou também ate nós a informação de que esta seguiria o aspeto visual dos Steelbooks passados, disponibilizados para os vários episódios da saga Star Wars. E se há algo que todos nós colecionadores adoramos, é ver uma constante coerência nas nossas coleções.

Mas não só este elemento de concordância visual destaca este Steelbook. A própria seleção das imagens para esta composição visual, apresenta-se como acertada, refletindo toda a identidade visual (e principais destaques) do Episódio VII.  Em adição, os pequenos acabamentos de relevo e baixo relevado dados ao título do filme (na capa da edição), assim como o brilho acentuado do lightsaber empunhado por Rey, deslumbram qualquer um que observe este exemplar metálico… também ele dotado já de um constante brilho em toda a sua constituição. Porém, não nos esqueçamos, ainda, da arte da contra-capa, que contrasta e completa a edição, mostrando-nos o lado negro da força.

Por fim, abrindo o Steelbook, focamos a atenção no seu interior. É, aliás, neste núcleo que vamos encontrar a nossa terceira e última surpresa. Para além a presença de três discos (pena não estar incluido o 4K em substituição do 3D), todos possuem uma bonita arte – uma prática rara (e mesmo impossível) para qualquer novo lançamento distribuído pela Disney.


Imagem (5/5)

Uma transferência excepcional por parte da Disney e que retrata todo o máximo potencial que o Blu-ray comporta para os sistemas de Home Cinema.  É isto que apenas precisam de reter! Mas, numa análise mais detalhada… a imagem de Os Últimos Jedi mantém um tom cinematográfico, detalhado e texturizado constante ao longo de toda a sua duração do. Qualquer plano close-up que surja em cena, revela todos as nuances faciais das personagens, todos os pequenos poros das suas faces.

Este nível de precisão é também extensível aos objetos presentes, quer sejam de guarda-roupa ou elementos operacionais como naves (exteriores e interiores) e até centros de comando. A cor, saturada na sua maioria, é também precisa e consistente em toda a exibição, flutuando, brilhantemente, entre os seus vários tons. Quer seja nos verdes intensos do “retiro” de Luke ou dos vermelhos da sala de Snoke e dos campos de sal da batalha final, nada de negativo há a apontar.

Os negros aparecem também precisos, sem qualquer perturbação e ruído (até nas cenas mais escuras), sendo utilizados de uma forma inteligente e permitindo acentuar a intensidade de várias cenas. Os efeitos visuais de CGI surgem impressionantes e aos mais alto nível daquilo que Star Wars tem para oferecer. Sem erros de maior a apontar a esta transferência, terminamos a visualização da mesma pensando apenas em como o 4K, à semelhança deste Blu-ray, seja fenomenal.


Áudio (4.5/5)

Mais uma vez, e como acontece sempre em todos os lançamentos Disney, à versão Blu-ray de Os Últimos Jedi foi retirada a faixa Dolby Atmos, sendo esta exclusiva do 4K. Apesar de competente, o presente DTS-HD Master Audio 7.1 surge um pouco “tímido”. Em momentos mais calmos, sentirão mesmo uma necessidade em aumentar, consideravelmente, o nível de volume, para alcançar aquela experiência de profunda imersão. Mesmo nos momentos mais intenso, este aumento é também pedido, caso queiram experienciar o mundo sonoro de Os Últimos Jedi ao máximo. Apesar de tudo, não podemos ver muitos este fator como uma limitação da faixa, já que uma simples mudança no equipamento resolve este “problema”.

Noutro ponto, não possuindo esta faixa, por limitações técnicas, a acentuada imersão em 360º possibilitada pelo Dolby Atmos, o desempenho da mesma neste campo poderá ser escutado com satisfação. Os sons, principalmente aqueles emitidos pelo movimentos das naves, percorrem com segurança o espaço da sala.

Diálogos surgem sempre, como seria de esperar, prioritários e até os efeitos sonoros mais contidos não têm qualquer problema em se mostrar. A este universo sonoro junta-se ainda a banda sonora envolvente, que complementa toda esta atmosfera de forma excecional. Ganha força, quando assim lhe é pedido e deixa os restantes elementos sonoros entrar no seu campo de atuação, quando assim é oportuno. Acima de tudo, a realidade sonora de Os Últimos Jedi apresenta-se como uma competente entidade em balançar os mais diversos constituintes sonoros. Tivesse ela uma maior presença adquirida, em termos de volumes, e seria um exemplar excepcional.


Materiais de Bónus (5/5)

Ao alcançar o capítulo dos materiais de bónus, quase que podemos afirmar de que existe uma Disney para a saga Star Wars e uma outra Disney para todos os restantes títulos do estúdio. É que analisando a quantidade e quantidade daquilo que nos é entregue, em nada este se assemelha ao típico lançamento incompleto (e com medo de mostrar os bastidores) que o estúdio já nos habituou.

Com mais de duas horas, encontrarão uma profunda e detalhada análise aos bastidores do filme, que deixarão qualquer fã da saga – e mesmo qualquer entusiasta pela Sétima Arte – maravilha pela complexidade dos processos envolvidos na execução de um filme desta magnitude. Por alguma razão é que, aliás, a edição possui um disco individual e exclusivo para estes elementos. E, como outro pequeno bónus (este já mais habitual para a Disney) está tudo legendado em português. Apesar de, por alguma razão estranha, a contra-contra da edição especificar que alguns dos bónus não possuem legendas no nosso idioma… bizarro, mas apenas mais um dos muitos erros já comuns nas especificações das edições.

– O Realizador e os Jedi (01:35:23): Num longo documentário, assente num produção bastante sólida (quase se sente que este constitui um filme por si só), somos encaminhados aos bastidores de Os Últimos Jedi mas, acima de tudo, aos bastidores da mente do realizador Rian Johnson e de tudo o que este tentou alcançar neste novo episódio. Depois das intensas opiniões divisórias sentidas no lançamento do filme nos cinemas, com fãs a apoiar e rejeitar o produto audiovisual final, aqui somos guiados por todo o processo de construção do mesmo e como Johnson tentou moldar este episódio segundo a sua visão. Neste peça documental, experienciamos mesmo que este é um produto exclusivo da mente do realizador e da suas perceção do universo Star Wars e do que este deverá ser. São, aliás, transmitidas várias justificações das opções tomadas pelo cineasta e da própria divisão que as mesmas criaram entre a equipa técnica e os próprios atores – muitos a duvidarem se estas seriam (ou não) as mais corretas e as mais ajustados a este universo já estabelecido. Acima de tudo, para além desta “justificação” que muitos pensavam não existir para as opções de Johnson, recebemos também belíssimas imagens e declarações de bastidores que nos levam por todo o processo de construção deste novo filme da saga e toda a logística envolvida no mesmo. Este é, sem dúvida, o making of que todos os fãs pediram e que deve ser visto por todos!

– Tudo Sobre a Força (10:17): Seguindo a linha narrativa do documentário anterior, que segue, acima de tudo, a visão de Ryan Johnson, também este featurette, através de declarações do próprio, nos leva pela explicação de como o realizador vê o conceito da força e como o tentou representar no seu filme.

– Analisar as Cenas: Tal como o titulo do tópico indica, esta constitui uma verdadeira (e acreditem, completa) desconstrução de algumas cenas do filme, quer do ponto de vista da narrativa, técnicas de gravação, elaboração de cenários/guarda-roupa/adereços, interpretações dos atores e até mesmo efeitos visuais. A explicação deste momentos é de tal modo completa, que só tenho mesmos pena de que este segmento não tenha sido alargado a muitos mais momentos do filme. Assim, poderão contar com: Épicas – As Batalhas Espaciais (14:23); Snoke e os Espelhos (05:40); Confronto Final (12:56).

– Andy Serkis/Snoke – Duas Cenas (05:49): Um conjunto de duas cenas, com uma pequena introdução do realizador, com a interpretação real de Andy Serkis, tal como foi captada em estúdio. A intenção deste pequeno featurette, alcançada com sucesso, passa por nos fazer ver como, apesar da construção digital da personagem de Snoke, a interpretação de Serkis foi essencial para a presença convincente da personagem.  

– Cenas eliminadas com comentários de Ryan Johnson: As cenas em si presentes, nada de novo ou relevante acrescentam à narrativa do filme, percebendo o porquê da sua ausência do produto final. O principal ponto de destaque aqui vai para os comentários tecidos por Johnson sobre a omissão destes momentos e até algumas curiosidades de bastidores que este vai proferindo. Por isso, sugiro sempre que vejam este bónus final com os comentário ativos. No total, poderão contar com 15 cenas presentes:  Introdução de Ryan Johnson (00:49); Início alternativo (01:32); A arma de Paige (00:33); O momento de Luke (01:02); Poe (00:41); Um pouco estranho (00:54); O cuidador olha para Rey (00:37); Sequência na vila (02:52); Perseguição de Fathier – Versão longa (05:45); Mega Destruidor – Versão longa (03:49); Rose morde a mão (01:05); O grito de Phasma (01:30); Rose e Finn (00:27); Rey e Chewie na Falcon (00:11) e Roupas e Habitantes de Canto Bight (01:29).


Veredicto final (5/5)

Torna-se difícil compreender como é que um estúdio que, atualmente, possui uma política anti-Blu-ray, consegue disponibilizar fortíssimas edições, quando assim o quer. Por outro lado, ficamos também a saber que não recebemos as edições com qualidade, simplesmente, porque esse “tal” estúdio não o deseja…

Mas, problemas aparte, não há como não ficar encantado com esta nova edição ao universo de Star Wars. A sua apresentação deslumbra, assim como a sua qualidade de imagem e som, ao mesmo tempo que somos encaminhados por uma viagem excepcional aos bastidores deste episódio. Esta é uma edição obrigatória para qualquer colecionador!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s