Em Análise: Venom, em Steelbook Blu-Ray (2 Discos)

O mundo já tem super-heróis suficientes… mas será que já possui demasiadas edições Steelbook? Se forem banais… talvez. Mas se Venom conseguiu destacar-se de toda a trivialidade metálica recente, estaremos perante uma edição vencedora. Veremos o que a análise dirá…


Apresentação (3.5/5)

A edição Steelbook de Venom navega por uma dualidade entre o “visualmente interessante” e o “ horror estético”. Passo a explicar… 

Analisando apenas o exterior desta versão metálica, difícil será negar a excentricidade visual aplicada ao mesmo. A arte selecionada funciona muito bem na edição, tornando distinta de muitos outros Steelbook, ao mesmo tempo que se enquadra na linha estética utilizada para a promoção de Venom. Fica só um pequeno apontamento de que qualquer efeito visual que tivesse sido aplicado – de relevo ou mesmo de brilho – teria elevado ainda esta edição. 

Contudo, ao abrir este Steelbook, todo o espetáculo visual, que esta edição tanto trabalhou para alcançar, é, completamente, destruído. Seguindo já a linha de outros Steelbook da Coleção Pop Art, optou-se por não incluir qualquer tipo de arte interna, “aniquilando”, deste modo, toda a harmonia visual que esta edição começou por construir. Salvando toda esta desgraça, encontramos, felizmente, arte presente nos dois discos Blu-ray. 


Imagem (4/5)

A transferência Blu-ray de Venom não desponta, mas também não surpreende. Tendo sido captado, essencialmente, com o recurso a câmaras digitais e finalizado numa resolução de 2.8K, a imagem do filme surge limpa de imperfeições e com uma definição precisa. Com ambientes bem estabelecidos, detalhes faciais, facilmente, identificáveis e uma paleta de cores fiel à realidade.

Contudo, momentos dominados por efeitos visuais provam uma quebra na qualidade visual de Venom. Por vezes, estes elementos digitais destaca-se demasiado do restante ambiente real, criando um choque percentual ao espectador. Venom é um claro exemplo de como é possível identificar, sem qualquer esforço, os momentos precisos em que um computador criou aquilo que vemos em ecrã. 

Surpreendente é a falta de ruído visível nesta transferência. Dominado, essencialmente, por uma paleta de cores contida, onde os tons escuros predominam, seria fácil deixar este possível ruído visual fluir. Porém, a transferência de Venom consegue esquivar-se deste, mesmo em ambientes onde a ausência de luz domina. 

Venom junta-se, assim, à longa lista de produções recentes com uma presença visual satisfatória.  Aliás, nada mais se espertaria que qualquer outro lançamento cinematográfico recente. 


Som (4/5)

Um novo lançamento, onde continua a predominar a distinção entre o disco Blu-ray e o disco 4K. O último recebendo uma faixa Dolby Atmos e o primeiro, o nosso objeto de análise, ficando pelo “simples” DTS-HD Master Audio 5.1. Apesar de tudo, não poderemos exercer uma grande critica à faixa que temos presente. A sua maior falha encontra-se na falta de uma distribuição eficientes dos sons pelo espaço. Contudo, isso é apenas uma limitação da tecnologia de codificação utilizada e não da transferência sonora em si. 

Este DTS-HD Master Audio 5.1 é mais do que capaz de conduzir todo o filme. Desde os momentos inicias, que a sua presença se faz sentir, com os movimentos sonoros da destruição da nave espacial a ganharem destaque. A partir deste momento, a faixa continua o seu percurso positivo, encontrando pequenos percalços, apenas junto da banda sonora. Situações musicais que deveria, acima de tudo, ser trabalhadas com uma maior intensidade sonora, mas que, no final, surgem tímidas. 

Todos os restantes sons presentes, como os efeitos sonoros representativos dos diversos ambientes habitados pelas personagens, aparecem sempre numa vertente, fortemente, imerssiva e clara. Destaque ainda para a claridade presente no diálogo ao longo de todo o filme, com especial atenção nos momentos dominados por Venom, onde os efeitos aplicados à sua voz, nos conseguem envolver, transportando-nos para a própria mente de Eddie Brock. 


Materiais de Bónus (3/5)

A presença de dois discos Blu-ray nesta edição Steelbook, mostrou-se, essencialmente, enganadora. Seria expectável que este segundo disco estivesse recheado de horas e horas de materiais de bónus. Porém, isso não acontece e é, aliás, no primeiro disco, juntamente com o filme, onde encontramos a quantidade mais substancial de extras para Venom. Apesar de tudo, mesmo neste disco, o conteúdo em si é um pouco limitado, ficando apenas pela exibição superficial dos bastidores do filme.

Contra estes extras, temos ainda a falta de legendas em português que, apesar de ser já uma prática comum, não deixará de ser objeto de critica. Curiosamente, se no primeiro disco apenas encontram os materiais de bónus com legendas em inglês, no segundo, surge o português (mas do Brasil). Uma disparidade um pouco curiosa… 

– DISCO 1:

– Cenas eliminadas: constituídas por três pequenos momentos adicionais que, acima de tudo, representam extensões de cenas já presentes no produto final. Existe apenas uma exceção (a cena “Alarme do Carro”), onde se tentou dar um momento mais cómico (mas falhado) à personagem de Venom e à sua fraqueza perante o som. As três cenas presentes são: 

– Boleia Para o Hospital (01:23): interação entre Eddie/Venon dentro de um táxi; 

– Alarme do carro (00:35): exploração da fraqueza de Venom ao som

– Versão alargada da prisão de San Quetin (03:11): versão alargada da cena de pós-créditos.

– O anti-herói (10:04): a origem de Venom na banda desenhada, assim como a sua evolução ao longo dos anos, é explorada neste segmento. Este início mais expositivo é também utilizado como elemento de comparação para a versão cinematográfica de Venom. Mais concretamente, a interpretação de Tom Hardy (o que este trouxe para a personagem) é abordada, ao mesmo tempo que pequenas curiosidades de bastidores (com especial enfoque nos momentos de ação) são exibidas. 

O Protetor Letal em ação (09:14): uma das principais cenas de ação do filme – a perseguição a Eddie Broke no seu apartamento e nas ruas de São Francisco – é alvo de uma exaustiva desconstrução. Desde os seus momentos inicias, até à sua conclusão, tudo é abordado e com especial destaque para como os efeitos práticos permitiram a criação da cena em questão. Aqui, o grande destaque vai mesmo para a praticalidade – incluido todos os seus pequenos truques – e, ao digital, apenas pequenas menções são atribuídas. É quase, de certo modo, refrescante ver como o “antigo modo” de fazer cinema ainda pode ser utilizado eficazmente. Por vezes, faz.-nos desejar que mais filmes vejam os seus orçamentos limitados… 

– Visão Venom (07:02): Em “Visão Venom” é dado um completo destaque ao realizador e ao modo com este decidiu construir o filme à “sua maneira”. Acima de tudo, é um featurette onde é explorado o modo como Ruben Fleishcer elaborou algo que, não só, espelha as características-chave de Venom, mas que também se baseia no passado cinematográfica de ação e comédia negra tão característico deste realizador e dos seus anteriores projetos.

– Construindo Venom (05:34): Apesar do seu título, apenas uma pequena menção do aspeto visual da versão cinematográfica de Venom é feita, comparando-a com as suas várias aparências na banda desenhada, ao longo dos anos. Aliás, o grande destaque deste momento inicial centra-se quase, exclusivamente, na decisão em não incluir o tão icónico logotipo de aranha no peito de Venom. Após estes primeiros minutos, o featurette transforma-se numa exposição dos poderes de Venom e de tudo aquilo que este é capaz. 

– Segredos do Symbiote (02:40): Uma pequena peça promocional, quase no estilo de anúncios publicitário, que enumera alguns dos easter eggs presentes ao longo do filme. Poderia até ser algo interessante, se feito de um modo mais extensivo e com um carácter mais pessoal. Talvez com a inclusão da narração de um membro da equipa do filme (realizador ou atores) a enumerarem os “segredos presentes”. 

– Pré-visualização de algumas cenas: quem se encontra familiarizado com o processo de pré-produção destes grandes filme,  conhecerá o processo de pré-visualização desenvolvido para determinadas cenas, antes da sua rodagem. Acima de tudo, é feita uma reconstrução, real ou animada, do modo como estes momentos serão captados, de modo a que, no derradeiro momento, tudo possa ser realizado com a maior fluidez possível. Aqui, são incluídos os momentos de pré-visualização para: O Teste de Laboratório de Carlton Drake, A Sala da Fundação Life, Análise a Eddie, A Luta no apartamento de Eddie, A Perseguição de Mota,  Subir a Torre, A Luta na entrada e Cão Venom.

Vídeos Musicais: Venom por Eminem e Sunflower por Post Malone e Swae Lee (De Homem-Aranha: No Universo Aranha)

– Antevisão de Homem-Aranha: no Universo Aranha

– Trailers

– DISCO 2: 

– Do Symbiote para o ecrã (20:03): isto é quase um desperdício de disco. Algo que poderia ter sido utilizado para um extenso documentário de making-of do filme, acaba por se transformar numa repetição de tudo aquilo que já foi enumerado no primeiro disco. A transição de Venom das páginas da banda desenhada para o ecrã, nunca descartando as características centrais deste e amadas pelos fãs, assim como as particularidades que o principal trio de protagonistas (Tom, Michelle e Riz) trouxeram às suas personagens são os pontos repetidos neste extra, que tinha a obrigação de fazer muito mais. 


Veredicto Final (3.5):

O seu exterior prometia muito. Porém, o seu interior desiludiu. Uma belíssima primeira apresentação, que contrasta com a desilusão do segundo encontro. Venom vence com o seu Steelbook (se este tivesse apenas capa e contra-capa), com a sua imagem e o seu som, perdendo poder nos materiais de bónus e na falta de qualquer arte interna na sua edição. Contudo, constitui uma opção satisfatória, caso desejem adicionar este filme à vossa coleção.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s