Em Análise: Vingadores – Endgame, em Steelbook

O filme mais rentável de sempre, uma edição metálica, mas falta de legendas em português? Com isto, potenciais fracos materiais de bónus por parte da Disney? Será que valerá mesmo a pena investir nesta edição Steelbook de Vingadores: Endgame? Estas serão questões às quais responderemos de seguida.


Apresentação (4/5)

Não desilude, mas também não surpreende. Se tivéssemos que descrever a edição metálica de Vingadores: Endgame esta seria a melhor forma de o fazer. 

É com uma arte simples, a contrariar a estética de edições anteriores de Vingadores, que este Steelbook se apresenta. Pela primeira vez, os heróis ganha destaque na capa e contra-capa da edição, mesmo aqueles que não estiveram presentes no filme. A realçar este ênfase,  um acabamento brilhante foi dado a cada uma das personagens, contrariando o aspeto “fosco” de toda a restante arte. 

No interior, somos recebidos pelos habituais (e aborrecidos) discos Blu-ray azuis da Disney, que apoiam numa arte interna, que homenageia os Vingadores “caídos”: Homem de Ferro e Viúva Negra. 


Imagem (4.5/5)*

Estamos perante uma transferência que satisfaz, mas que nunca impressiona. Vingadores: Endgame tornou-se no filme mais rentável de todos os tempos por isso, seria de esperar que a Disney preparasse o seu lançamento Home Video com todo o cuidado possível. Porém, o estúdio limitou-se a cumprir o já esperado, nunca tentando alcançar algo mais. 

Com isto, não queremos afirmar que a transferência Blu-ray do filme apresente falhas. Muito pelo contrário. Não surgiu um erro que justifique tal apontamento. Contudo, não apareceu nada que justifique a sua exaltação. 

O destaque para Vingadores Endgame estará, talvez, na facilidade com os elementos de CGI se integram com o “mundo real” do filme. Numa película que foi, maioritariamente, elaborada através de softwares computacionais, torna-se satisfatório admirar como nenhum destes elementos se sobressai dos de mais. É em cenas com uma maior luz “natural” presente, que se identifica o brilhantismo deste CGI . Por exemplo, quando os Vingadores se encontram a testar o dispositivo para as viagens no tempo, todo o ambiente que os rodeia foi criado, através de meios digitais. Isso é fácil de integrar com os objetos reais, mas é a implementação de Hulk, em oposição aos outros heróis “vivos”, que impressiona. Mesmo com uma grande quantidade de luz a atingir o personagem, tornado-o incapaz de ocultar qualquer erro no seu processamento digital, Hulk surge tão real como os restantes humanos. 

Vingadores: Endgame, à semelhança de Guerra do Infinito, possui uma paleta de cores mais intensa, em comparação com os seus antecessores Marvel. Contudo, o uso da cor e da sua saturação continua contida. Tal como os blockbusters destes estúdio nos habituaram. Com isto, o Blu-ray não consegue delinear uma forte presença das mesmas, por limitações dos criadores de Endgame. Quanto a ruído visual, não conseguimos detetar qualquer problema de maior. As imagens surgem sempre nítidas e com um forte detalhe quer, por exemplo, no  guarda-roupa dos nosso heróis ou mesmo nas suas feições, em qualquer momento do filme.  


Som (4/5)*

Com Vingadores Endgame, a Disney continua a limitar o som do disco Blu-ray com um DTS-HD Master Audio 7.1. O Dolby Atmos mantém-se exclusivo do disco 4K Ultra HD, não nos permitindo experienciar o filme em todo o seu máximo esplendor. Contudo, a faixa sonora presente  demonstrou-se satisfatória e competente, ao longo de toda a sua reprodução.

Ao contrário de faixas mais recentes que temos analisado, provenientes da própria Disney ou de outros estúdios, Endgame não sofre qualquer problema de maior no seu balanceamento áudio. A faixa, por definição, surge com uma forte presença, sem existir a necessidade de um incremente substancial no seu volume. Assim, com muito pouco, é possível desfrutar de toda a sua amplitude sonora. 

Em momentos mais íntimos, pequenos sons simplistas conseguem circular por toda a sala, colocando o espectador no centro das emoções das personagens. Mas também, quando é exigido, em grandes momentos de ação, a faixa assume o seu poder. Enquanto que imagens vão “explodindo” no ecrã, também o som acompanha esta tendência. Quer através de efeitos sonoros, quer da própria banda sonora da película. 

Como seria de esperar, os diálogos surgem sempre claros, não existindo qualquer problema de maior a apontar à experiência sonora de Vingadores: Endgame. É um excelente exemplo daquilo que o DTS-HD Master Audio 7.1 permite mas que, por limitações técnicas, não consegue desenvolver uma atmosfera tão imersa como o Dolby Atmos. 


Materiais de Bónus (1/5)

A adição dos materiais de bónus a um disco único deve-se apenas à longa duração do filme, não é? Aquilo que a Disney colocou como “extras” para esta edição, poderia, facilmente, ser omitido, sem grandes perdas de conteúdo. Quando finalizada a visualização destes materiais de bónus, esperamos que o verdade making of surja. Mas esse nunca aparece. O receio da Disney em mostrar os bastidores dos seus filmes continua e Vingadores: Endgame foi apenas a mais recente vítima desta (infeliz) tradição. Nem o seu estatuto de “filme mais rentável de todos os tempos” contribuiu para amenizar os ideais do estúdio… 

– Remembering Stan Lee (07:15): uma pequena montagem, com várias imagens das gravações dos vários cameos de Stan Lee, em todos os filmes da Marvel. As imagens são complementadas com uma pequena “entrevista” a Stan, em que este fala das suas experiências.

– Setting the Tone: Casting Robert Downey Jr. (05:25): acima de tudo, a narrativa essencial deste featurette assenta em como foi arriscado associar Downey Jr. ao papel, mas que, no final, tudo correu bem. Este é o discurso dos vários produtores, cineastas, membros do elenco do MCU e até do próprio Robert, ao longo dos cinco minutos. Várias imagens de bastidores do primeiro Homem de Ferro são utilizadas como pano de fundo, mas nada mais é disponibilizado. 

– A Man Out of Time: Creating Captain America (12:18): aquilo que vimos a acontecer no featurette anterior é replicado aqui, alternado apenas o foco para Capitão América e Chris Evans. Devido à sua maior duração, ficamos com uma abordagem mais aprofundada sobre a criação e evolução da personagem no MCU. Contudo, muito pouco continua a ser mostrado dos bastidores de Endgame. 

– Black Widow: Whatever It Takes (07:25): seguimos com as repetições e após Homem de Ferro e Capitão Amérinca, chega a altura de Viuva Negra. Tal como mencionado no extra anterior, aqui volta a existir nova repetição da linha narrativa dos anteriores, mudando apenas o foco para outra personagem. 

– The Russo Brothers: Journey to Endgame (05:01): em pequenos minutos, o percurso dos irmãos Russo desde a sua entrada no MCU, com O Soldado do Inverno, é exibido, mostrando aquilo que levou Kevin Feige a torná-los nos principais “aquitetos” da conclusão da Saga do Infinito. 

– The Women of the MCU (04:52): começamos com uma pequena “promoção” de como a Marvel está a tentar incluir uma maior representação feminina no seu universo e culminamos com aquilo que mais se assemelha ao making of de Endgame. Mesmo assim, esta última componente constitui apenas uma desconstrução da cena da batalha final, com todas as heroínas Marvel. 

– Bro Thor (03:42): mais uma pequena parte do “making of” de Endgame. Surgem os detalhes daquilo que levou à criação desta versão de Thor, com imagens de bastidores do filme. Porém, é algo tão reduzido, que perde grande parte do seu significado. 

– Deleted Scenes: tal como os materiais de bónus anteriores, as cenas eliminadas incluídas no disco não trazem nada de novo. Representam apenas extensões de momentos já presentes, que nada de novo adicionam. Inclui: 

        • Goji Berries (00:37): momento “caseiro” entre Tony e Pepper.
        • Bombs on Board (00:30): interação entre Rhodey e Cap sobre o Tesseract e o porquê deste não ter saltado, antes de o avião onde congelou, se despenhar. 
        • Suckiest Army in the Galaxy (00:24): Rocket  “goza” com os eventos do primeiro filme dos Vingadores (com a batalha de Nova Iorque).
        • You Used To Frickin’ Live Here (01:10): nova interação entre Thor e Rocket em Asgard.
        • Tony and Howard (00:27): pequena extensão deste momento.
        • Avengers Take a Knee (01:14): diferente reação dos Vingadores, à morte de Tony em batalha. 

– Gag Reel (01:58): os bloopers do filme… e reduzidos.

– Audio Commentary (presente no disco com o filme)


Veredicto Final (3.5/5)

Muitos ainda acreditavam que a “maldição da Disney” fosse levantada com Vingadores: Endgames. Porém, o estúdio, continuo a cometer todos os mesmos erros passados. Sem mencionar a faltar de legendas em português – que já todos tomamos como certa – continuam a não existir materiais de bónus substanciais que adicionem valor à edição. O filme é apresentado com as melhores capacidades técnicas e com uma bela edição metálica. Contudo, o que, sempre tornou qualquer edição Home Video muito especial foram os seus materiais de bónus. A Disney continua a falhar com isso nos seus títulos…


*Apenas o disco Blu-ray foi objeto de análise. 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s